O início da filosofia moderna – Galileu Galilei (1564 – 1642)

“Muitos são aqueles que sabem alguma coisa de filosofia; poucos são aqueles que entendem um pouco de filosofia; pouquíssimos são aqueles que conhecem alguma parte dela; um só, Deus, é o que a entende toda.”O ensaiador

Galileu Galilei

Galileu Galilei

Galileu já começa a inovar com suas primeiras investigações no campo da física, aplicando princípios matemáticos, pois os seguidores de Aristóteles – cientistas da época – discordavam da aplicação matemática ao estudo da física. Suas novas descobertas na área da ciência causaram forte oposição dos aristotélicos e da Igreja Católica, pois iam contra seus ensinamentos, como é o caso da descoberta das manchas solares, que segundo eles, destruía a perfeição do céu e negava a Bíblia Sagrada, e ainda, o heliocentrismo de Copérnico defendido por ele, que quase lhe custou a vida.

Entretanto, não foram nas áreas da física e da astronomia suas maiores inovações. A mais importante contribuição de Galileu foi ao campo das ideias filosóficas que, com seu método científico, abalou os alicerces do pensamento medieval.

O primeiro princípio do método galileano é a observação dos fenômenos e o seu estudo sem qualquer tipo de influência da tradição filosófica ou teológica. Ele abandona todos os preconceitos extra-científicos e passa a formar uma filosofia independente, baseada nos seus estudos sobre a natureza e o universo. Em “O ensaiador” (1623), Galileu deixa claro a Virginio Cesarini e a Lotário Sarsi, que irá trabalhar “sob a sombra destas teorias”, mostrando que não valeria às suas pesquisas o que já havia sido dito.

O segundo princípio do método de Galileu consiste na experimentação. Ou seja, uma nova afirmação só pode ser considerada verdadeira se for experimentada e comprovada assim sua veracidade.

O terceiro e último, estabelece que o correto conhecimento da natureza exige a descoberta de sua regularidade matemática. Segundo Galileu, tudo pode e deve ser medido através dos preceitos matemáticos.

O Universo está escrito em língua matemática

O Universo está escrito em língua matemática

Com toda a sua metodologia, Galileu demonstrou o engano do espírito lógico e dedutivo da filosofia aristotélico-escolástica, quando aplicado à experimentação dos fenômenos físicos. Ele também busca separar ciência e religião, dizendo que são dois livros separados e que ambos buscam revelar a mesma verdade, porém de pontos de vista diferentes. Um livro é a Bíblia, cujos escritos científicos são simplificados e de fácil entendimento para as pessoas; e o outro é a Natureza, que para ser interpretado deve ser lido de forma científica e objetiva. Por ambos os livros serem do mesmo autor, não podem ser contraditórios.

“Não acredito, porém, na explicação filosófica, isto é, que o chumbo se derretesse e que por isto fosse encontrado só no interior de ferro”(Galilei, 1623); com essas palavras de Galileu, fica bem claro que o campo da filosofia abrangia nesta época o campo da física e da matemática.

Pode-se resumir a filosofia de Galileu nas seguintes palavras:

“A filosofia encontra-se escrita neste grande livro que continuamente se abre perante nossos olhos (isto é, o universo), que não se pode compreender antes de entender a língua e conhecer os caracteres com os quais está escrito. Ele está escrito em língua matemática, os caracteres são triângulos, circunferências e outras figuras geométricas, sem cujos meios é impossível entender humanamente as palavras” – Galileu Galilei (O ensaiador, 1623)

 

Referências:

GALILEI, Galileu. O ensaiador, 1623.

Anúncios